Agora são: .Horas e .Minutos - Bem vindo ao Blog Co Dependentes Emocionais **Deus Te abençõe e Te Guarde **

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Convulsão em cachorros: como agir

Olá pessoal...
Hoje está sendo um dia daqueles...aff!!!
Tenho um poodle toy (Hajie) de dois anos, ele é meu amor, o que sinto por ele, sinto pelas minhas filhas...kkkk...Não é exagero, eu amo esse serzinho demais, e ultimamente tenho me preocupado com a saúde dele, pois está tendo crises de epilepsia...Crises convulsivas que duram em torno de uns cinco minutos, quando acontece isso, eu entro em pânico, com medo dele morrer.
Então, entrei na internet e fui pesquisar as causas dessas crises e claro vou ter que buscar ajuda de um profissional.
O texto abaixo é extraido do site saude.abril.com.br , e me ajudou muito, espero que ajude vocês também.


Para alguns bichos, não precisa muito para o cérebro entrar em pane. Basta um susto provocado por rojões, trovões ou uma superagitação dentro de casa para que o animal sofra uma intensa descarga elétrica na massa cinzenta. Daí, começa a tremer, salivar e se comportar de maneira assustadora aos olhos do dono. Essa é a descrição de uma crise convulsiva.

Por trás da reação, há uma série de causas — um trauma na cabeça, uma intoxicação por produto químico, a falta de glicose no sangue, mais frequente em filhotes e cães diabéticos, ou ainda um tumor cerebral ou uma doença congênita como a epilepsia. "O pior é que não há jeito de prever uma crise, porque não há exames que detectam isso antecipadamente", diz o veterinário Paulo Salzo, da Universidade Metodista, em São Paulo. Se acontecer na sua casa, a dica é: assim que o animal parar de convulsionar — e uma baita convulsão dura no máximo cinco minutos —, leve-o ao especialista para investigar o que causou o curto-circuito cerebral. Lembre-se de relatar se o bicho comeu algo diferente, se ingeriu algum produto químico, se levou um tombo... Toda informação é preciosa.

Raças como pastor alemão, poodle, labrador, pit bull e husk siberiano têm maior predisposição à epilepsia. Para ajudar no diagnóstico, vale tentar ver se os pais do seu cachorro não eram epiléticos, já que a doença é hereditária. Descartada essa hipótese específica, a crise pode alertar para outros males. E, aí, vários exames são necessários. Os de sangue, por exemplo, podem acusar uma hipoglicemia.

"Seja qual for a causa, o tratamento desse transtorno tem que começar pelo uso de anticonvulsivantes, remédios que irão normalizar as ondas cerebrais e que existem na forma de comprimidos, xaropes ou gotas. A escolha, no caso, dependerá da aceitação do animal", explica o veterinário Marcelo Quinzani, do Hospital Veterinário Pet Care, em São Paulo.

Se for constatada a epilepsia, o tratamento anticonvulsivante seguirá para o restante da vida. Se for descoberta a hipoglicemia, o remédio deverá ser associado a outro para manter as taxas de açúcar na circulação em ordem e evitar novas convulsões.

"De qualquer maneira, a supervisão de um profissional deverá ser intensificada", alerta Salzo. Recomenda-se levar o cachorro que já convulsionou para uma consulta a cada seis meses. Em cada visita, o profissional irá reavaliar a dosagem do anticonvulsivante no caso da epilepsia, por exemplo. Sem contar que, com o passar dos anos, sujeito à medicação diária, o bicho pode ter efeitos colaterais como aumento de peso e problemas no fígado — e o veterinário estará de olho nisso.

Aviso importante

ESTE BLOG ESTÁ DE ACORDO COM A LEI 9.610 DOS DIREITOS AUTORAIS NA INTERNET.
PARA VER A POSTAGEM DE ORIGEM, CLIQUE NA FONTE OU NO AUTOR.

Obrigada pela visita e volte sempre!

RÔ CARVALHO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares