Agora são: .Horas e .Minutos - Bem vindo ao Blog Co Dependentes Emocionais **Deus Te abençõe e Te Guarde **

sábado, 16 de junho de 2012

Porque eu não consigo um emprego?



É comum me pedirem para que eu “dê uma olhada” no curriculum para identificar os motivos pelos quais a pessoa está demorando para se recolocar. É claro que, depois de um tempo procurando uma oportunidade sem resultado, é comum ao profissional começar a ficar inquieto e com uma série de questionamentos.

Antes de qualquer coisa, é fundamental não esquecer que o mercado de trabalho é como qualquer outro, ou seja, dependendo da área e até mesmo da época, é possível encontrar mais ofertas do que profissionais disponíveis - o que reduz o nível de exigências na contratação -, ou o contrário, podem-se encontrar mais profissionais disponíveis do que ofertas – o que faz aumentarem as exigências.

Também é importante lembrar que cada oportunidade requer um perfil, portanto, os pré-requisitos para cada vaga variam muito. Mas, na tentativa de aplacar a angústia dos que estão desempregados, levei a questão a colegas de RH, e conseguimos identificar alguns dos motivos mais freqüentes pelos quais os candidatos perdem oportunidades (considerando vagas administrativas até média gerência). Vamos lá...

Expectativa salarial incompatível: Se o candidato quer um salário maior do que a empresa tem a oferecer, o empregador pode sentir-se inseguro em contratar porque pode achar que o profissional se desligará na primeira oferta melhor. E, em contrapartida, se o candidato pede um salário muito aquém do que a empresa tem a oferecer, pode dar a impressão que não tem o nível necessário para desempenhar a função.

Utilização de recursos tecnológicos: Nos dias atuais, profissionais sem habilidade nesta área, ou que não conhecem determinados sistemas, estão em extinção. Na era da tecnologia, temos que estar antenados!

Empatia com o contratante: A afinidade entre o candidato e o contratante que pode ser sentida logo num primeiro contato ainda é fator importante para facilitar ou não a conquista de uma oportunidade.

Experiência anterior incompatível: Essa é uma questão clássica e, até mesmo, óbvia. Quem tem uma experiência similar à proposta certamente tem mais chances de conseguir a vaga.

Idade acima de 40 anos: Eu também preferiria que não fosse verdade, mas é. E o fato de muitos contratantes não dizerem isso claramente – primeiro porque pode ser considerado discriminação e segundo porque não é politicamente correto e compromete a imagem da empresa – não quer dizer que este “pré-requisito” não exista.

Apresentação: O que a pessoa veste para participar do processo compõe a sua imagem, e não dá para passar a imagem de um executivo eficiente de tênis e moletom, certo? Então, atenção à apresentação!

Escolaridade incompatível: Foi-se o tempo em que a graduação atendia. Hoje, o mínimo que se espera é uma especialização na área de atuação.

Utilização incorreta da língua portuguesa: Poucos são os que conhecem bem a língua portuguesa, mas não precisa ser um especialista para usá-la corretamente. Erros de concordância verbal, uso de gírias e até mesmo de palavras de baixo calão, comprometem seriamente a imagem do candidato e, na maioria das vezes, o tira do processo seletivo. Nem preciso falar sobre escrever errado, não é mesmo?

Excesso de instabilidade: A época de se ficar décadas na mesma empresa passou, mas em contrapartida, ficar pulando de emprego em emprego também não transmite uma boa imagem. Um candidato que ficou menos de dois anos nos últimos três empregos pode ter suas chances reduzidas.

Atitude no contato: Esse é um dos motivos mais frequentes pelos quais bons candidatos perdem oportunidades interessantes. Candidatos com ares de superioridade não são incomuns, assim como, atitude arrogante, agressiva, e, até mesmo, excesso de intimidade com o selecionador. Todas elas criam barreiras intransponíveis para a empatia. Aja naturalmente, de igual para igual que você terá mais chance de sucesso.

Enfim, são inúmeros os motivos pelos quais um candidato pode perder uma oportunidade de emprego, de acordo com os pré-requisitos necessários para exercer a função. Esses são apenas os mais comuns.

Agora avalie seu curriculum e a si mesmo com racionalidade e imparcialidade, tome ações práticas para melhorar sua empregabilidade, e vá à luta por oportunidades compatíveis com o seu perfil. Assim, quem sabe, talvez você nem venha a ficar desempregado novamente.
http://www.blogger.com/img/blank.gif

(Agradeço à Alessandra Negreli e toda equipe de Seleção da Luandre, pois sem elas não teria sido possível escrever este artigo)

Fonte: Administradores

Aviso importante: Este Blog Pessoal está de acordo com a Lei 9.610 dos direitos autorais na internet, para ver a postagem original clique na fonte.

Obrigada pela visita e volte sempre.

Rô Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares