Agora são: .Horas e .Minutos - Bem vindo ao Blog Co Dependentes Emocionais **Deus Te abençõe e Te Guarde **

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Você sabe o que deve priorizar em sua vida?


Você sabe o que deve priorizar em sua vida?

:: Isabel Romanello ::

Optar! Priorizar! Fazer escolhas! Família, filhos, parceiro, trabalho, amigos, nós mesmos... A vida com suas necessidades e possibilidades... O que escolher? Como definir a melhor escolha? O que deveria ser natural nem sempre é simples. Por vezes, uma escolha envolve tantas áreas importantes ou tantos seres tão queridos que pode se tornar uma tarefa bem difícil.

Venho, há algum tempo, percebendo uma coisa interessantíssima! Enquanto transmito os conceitos de Equilíbrio Essencial e ensino a utilização de algumas ferramentas tão especiais e efetivas, seja para as pessoas dos grupos do CREC, de qualquer outro de nossos cursos ou nos atendimentos individuais; em um certo momento - que se define em conformidade com o roteiro que aquela pessoa vem escrevendo para sua própria vida - é possível observar que todos os conflitos vivenciados por uma pessoa, independentemente da área que estejam afetando, nascem de um mesmo e único ponto! Por mais que nos pareça impossível que seja assim.

Tenho ouvido continuamente coisas como: não tenho dado a devida atenção ao meu marido e fico culpada de cuidar do meu filho e não poder dar atenção a ele quando chego em casa; tem sido difícil ir trabalhar e deixar meu bebê... sinto culpa, fico sofrendo o tempo todo e por isso não venho rendendo no trabalho. Depois, quando chego em casa e estou ao lado do meu filhinho, fico com culpa por não ter feito as coisas direito no serviço e acabo sem conseguir aproveitar nem uma coisa nem outra, meus amigos disseram que depois que comecei a namorar não sou mais o mesmo; não tenho tido tempo de ver meus pais e eles estão velhinhos, tenho medo de que quando for possível já não dê mais tempo de ficar junto; não tenho mais tempo pra me cuidar, estou me sentindo envelhecida e feia, acho que estou jogando meu marido para admirar outras mulheres, enfim, a cada situação o questionamento é: o que devo fazer? O que é certo escolher? Por favor, preciso de uma direção!

Seria muito bom e algumas pessoas assim consideram, se existisse uma lista ou regras de prioridade para as opções que devemos fazer em nossos diferentes momentos. Nesse caso nossas certezas viriam de fora... Mas, isso seria realmente bom? O que nos causaria?

Já sabemos que somos UM, mesmo que possa ser difícil compreender exatamente como isso acontece! Entretanto, não somente somos UM como, em essência, somos todos iguais! Todos nós, Seres Humanos, somos potencialmente idênticos! A única coisa que nos difere uns dos outros enquanto individualidades, é o grau de desenvolvimento e expressão da nossa Consciência Essencial. Em outras palavras do quanto somos conscientes de nós mesmos e de quem realmente somos!

Para explicar isso melhor sempre comparo as pessoas a sementes de uma mesma espécie de árvore frutífera. Imagine que alguém tem em mãos 10 sementes dessa árvore e avalie que as sementes serão plantadas em solos com nutrientes equivalentes em valores e quantidades. A única diferença é que, após a primeira, cada uma será plantada na mesma data do ano seguinte.

Bem, fica fácil perceber que a cada novo ano as árvores plantadas anteriormente já estarão em estágios diferentes de maturidade. Algumas já estarão brotando, outras florescendo, as mais amadurecidas já produzindo frutos, possibilitando a sobrevivência de outras formas de vida a partir de sua doação, a cada fruto oferecido e produzido em seu ciclo. Tudo isso acontecendo, ao mesmo tempo em que a semente mais recentemente plantada estará apodrecendo, morrendo, lutando pela própria sobrevivência na busca de seu renascimento.

Somos todos assim. Alguns já produzem frutos. Alguns ainda florescem. Alguns começam a brotar e reconhecem os primeiros estágios da vida nesse planeta. Outros, ainda destroem a outros, ao meio e a si mesmos, num total desconhecimento da razão da vida, de sua própria razão ou da razão de cada outro, enfim, cada qual expressando unicamente o grau de consciência que já pôde desenvolver na somatória de todos os estágios que já completou a cada existência.

Se você vem acompanhando os artigos, sabe que é possível compararmos a consciência a um armário com gavetas ou prateleiras. Somando essa informação ao raciocínio das árvores dá pra imaginar que a organização, o conteúdo e a aparência de nossos armários, prateleiras ou gavetas, deve ser bem diferente e diversificado de uma pessoa para outra, não é mesmo?

O que acho muito interessante é que cada uma de nossas gavetas é suprida ou gera suprimento para muitas das nossas diferentes necessidades. Cada um de nossos relacionamentos vai atingir e nutrir as necessidades de cada diferente prateleira. E, acreditem, não existe ordem de grandeza ou importância diferenciada entre elas. Cada uma cuida de uma ou algumas áreas da vida. Cada qual nutre um aspecto de nosso ser. E, quando avaliamos essencialmente, não podemos dizer que nosso trabalho deve ser mais importante do que nossa família ou que nosso parceiro deve ser menos considerado do que nossos filhos, ou, ainda, que devemos sacrificar todas as nossas necessidades em detrimento da felicidade de outras pessoas. É claro que temos vocações, preferências, mais prazer em algumas atividades e menos prazer em outras. Mas o que sentimos não deve denotar maior ou menor valor em qualquer área de nossas vidas. Afinal, quando medimos algo pelo seu valor essencial, nosso discernimento nos permite a compreensão da equivalente importância em tudo e em todos. Toda a estrutura da consciência humana necessita de suprimentos que somam pequenos tijolos na construção de nossa felicidade.

Quando somos lúcidos e conscientes de que esperamos a felicidade, sabemos reconhecer o valor de tudo o que envolve a nossa realidade pessoal e as nossas relações. Sabemos nos respeitar e a cada outro, compreendendo razões, necessidades, objetivos e limites. Reconhecemos a real importância de tudo. Compreendemos essencialmente nossas necessidades e as alheias. Tal compreensão nos impede de exigir do outro o que não exigimos de nós mesmos. Nos permite exigir, sim, aquilo que exigimos de nós. Entretanto, tal exigência compreende e aceita naturalmente se o outro ainda não for capaz de... Sem inferioridade ou superioridade. Com equilíbrio, o mais essencial possível! E, isso é AMOR!

Temos que encontrar e nutrir o equilíbrio entre todas essas áreas. Mas, aquele equilíbrio que aflora do nosso ser interior, o Equilíbrio que definimos como Essencial. Aquele que ocorre ainda acima de nossa estrutura mental. Ele nos permite reconhecimentos e escolhas equilibradas e adequadas. Por ele somos capazes de visualizar além dos preconceitos. Com ele somos capazes de perceber que realmente somos iguais, mesmo que em diferentes tempos. Percebemos que o que nos diferencia é o natural movimento de nossas reações. Aquilo que vamos naturalmente buscar suprir e valorizar naquele nosso tempo individual e pessoal.

Sim, é realmente delicioso reconhecer e aprender a perceber que é possível ser feliz sem culpa. Ou, melhor ainda, que não é necessário estar infeliz para poder receber afeto e reconhecimento.

O que mais me encanta quando procuro interpretar o código pessoal de alguém que, surpreendentemente, vai nos levar ao encontro da raiz principal, de um único ponto, é a simplicidade com que as coisas se esclarecem e passam a se resolver. Tudo fica mais claro, mais preciso e prazerosamente lógico. Escolher torna-se natural. Aprende-se a tirar o máximo de cada momento. Basta estar ali, presente por inteiro: em cada atividade, em cada relação, em cada situação. A vida passa a somar momentos felizes, e naturalmente transmuta e aguarda as resoluções mais adequadas para as dificuldades.

É, sempre um Divino Processo! E essa é a razão pela qual devemos buscar nosso Equilíbrio. Ele proporciona a necessária segurança e a almejada tranqüilidade. Precisamos nos livrar das culpas e medos em nossas opções. Precisamos estar em contato com a Essência Vital, pois somente ela nos qualifica como seres capazes de experimentar certezas a cada escolha.

Depende de nosso Ser Essencial, do nosso Eu Interior, uma participação efetiva na criação de uma realidade de tranqüilidade, harmonia e crescimento em nossas próprias vidas! Somente essencialmente equilibrados conseguiremos ampliar a Qualidade de nossas Vidas, permitindo-nos mais harmonia em nossos relacionamentos pessoais, afetivos, familiares e profissionais e, conseqüentemente, muito mais felicidade em nossas vidas.

Somente a visão pela Essência nos permitirá compreender as falhas humanas, nossas e alheias. Tal compreensão é necessária para que nos seja possível aceitar nossas necessidades espirituais, mentais e concretas nos relacionamentos familiares, afetivos, profissionais, sociais, vivenciando nossos próprios limites sem medos, nem culpas. Isso é nutrir Amor pelos outros e por nós mesmos e esse Amor é a base necessária à nossa felicidade.

E, como a cada dia concluo e tenho imenso prazer nisso: nós merecemos ser realmente felizes! Você não acha? Não é por acaso que nós próprios criamos a nossa realidade e somos os únicos responsáveis por tudo o que vivenciamos. Se compreendermos bem isso será natural perceber que nossa felicidade e as escolhas mais acertadas só dependem de nós mesmos. Basta ficarmos atentos a tudo através dos olhos do espírito! Afinal, somente eles é que nos permitem o exercício da visão essencial!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares