Agora são: .Horas e .Minutos - Bem vindo ao Blog Co Dependentes Emocionais **Deus Te abençõe e Te Guarde **

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Ansiedade fóbica

Investigação em relação aos aspectos clínicos e psicológicos que ocorrem no transtorno de ansiedade fóbica estão ligadas ao trabalho de diferentes escolas de psicologia e os transtornos psiquiátricos.
Nosso trabalho tenta unificar tanto um indicador clínico de tipo psicológico, como no estudo de pacientes com esta doença, de modo a alcançar um fenômeno mais amplo, de unificação. Estamos interessados ​​na análise de diferentes subtipos de fobias.
Não é possível entender distúrbios neuróticos, particularmente fobias, ignorando sua gênese e desenvolvimento, o papel que a personalidade, os seus mecanismos e eventos de vida para a qual se defronta. Por outro lado, a ocorrência do transtorno, ele modifica os componentes personológicos. O objetivo do ensaio é uma revisão de componentes clínico e psicológico da fobia. Voltemo-nos para uma revisão das questões levantadas na literatura em relação a ambas as componentes.
Indicadores clínicos
Epidemiologia: Os transtornos de ansiedade são atualmente considerados como um distúrbio mental mais comum nos Estados Unidos e México. Em algum momento de suas vidas é esperado que cerca de 25% da população têm algum tipo de transtorno de ansiedade. Em um artigo publicado no Echeburúa mostra que a prevalência de transtorno do pânico sem agorafobia é de 0,8 a 1% e 1,2 a 3,8% de agorafobia é a fobia específica, aparece com uma incidência de 4,1 -7,7% e de 1,7 a 2% fobia social. Neste sentido, e coerente com os resultados do Estudo Epidemiológico Update (ECA), a fobia é a doença mental mais comum no os EUA Fobia específica, lidera a lista com as taxas de prevalência de 4,5 a 11,8%. Dentro deste mesmo estudo, a fobia social atinge 1,9 -3,2%, com média geral de 2,4%..
Para J. Ayuso (1994), agorafobia representa 60% de todos os estados fóbicos em que há uma busca por tratamento. Ele também observa que esta é a fobia mais incapacitante e ofereceu mais resistência ao tratamento. No que respeita à fobia específica, e, embora seja bastante comum na população, o autor aponta que confiar menos afetados do que agorafóbicos e fóbicos sociais serviços psiquiátricos, que representam apenas 17% dos indivíduos esse transtorno. Fobia Social, por sua vez representa 25% de todos os pacientes que procuram tratamento (J. Ayuso, 1994).
Embora seja comum na população em geral, fobia específica, raramente causa desconforto ou uma diminuição geral o suficiente para permitir o diagnóstico. Os valores de prevalência publicados na literatura podem variar de acordo com os limiares utilizados para determinar a aflição geral ou prejuízo fobias líder e tipo de estudo.
Nos centros de saúde de mais de 95% dos indivíduos que vêm para a agorafobia também têm um diagnóstico (ou história) de transtorno do pânico. No entanto, devido à dificuldade de avaliação clínica é provável que o número de estudos epidemiológicos são exageradas. Por seu lado, a fobia social, raramente é motivo de internação hospitalar (J. Ayuso, 1994).
A pesquisa atual tem caracterizado as fobias e distúrbios clínico essencialmente feminina. Não obstante a preponderância das mulheres na literatura de fobias, houve poucas tentativas de explorar as variáveis ​​relevantes para essa diferença de sexo.
Na pesquisa com os pacientes com agorafobia pode ver um modo de vida dentro da casa, sentimentos de desamparo e sentimentos de ser preso. Neste sentido, alguns autores sugerem que as mulheres são frequentemente mulheres agorafóbico estereótipos de género tradicionais e rígidas. Com poucos gols, por si só, esperando passivamente que os outros ou atendimento direto. Muitas vezes é o ressentimento, depressão, atividade restrita, assertividade pobres e de baixa auto estima. Esses comportamentos estão com medo depois reforçada por outras pessoas significativas na vida dessas mulheres (por exemplo, os maridos) e consoantes de seu papel sexual.

O medo do mundo exterior faz sentido quando você percebe que as mulheres têm sido sistematicamente negada a entrada em habilidades que lhes permitam lidar com situações comuns em adultos. Eles especialmente a falta de assertividade adequado, que é um déficit comportamental é significativamente correlacionados e incluídos na agorafobia e fobia social.
Outras fobias tendem a refletir a tendência das mulheres a se ver como indefesa e impotente. Um exemplo claro disso é a ansiedade do teste, maior nas mulheres que nos homens. Se a avaliação é necessário introduzir uma profissão, carreiras mudar ou mudar para um nível mais alto em um trabalho, a ambição de uma mulher pode ser limitada por este medo. Além disso, a ansiedade de falar em público, com maior prevalência entre as mulheres, pode ser um dos fatores mais importantes que limitam a progressão na carreira das mulheres. Neste contexto, a CID-10 (1994) argumenta que a fobia social apresenta-se com igual freqüência em homens e mulheres.
Males sociais. A freqüência por sexo também varia dependendo do tipo de fobia específica. Cerca de 75-90% das pessoas com fobia ambiental ou animal são mulheres (exceto no medo das alturas, onde as mulheres representam 55-70%). Da mesma forma, cerca de 75-90% dos indivíduos com fobias situacionais são mulheres. Estes também são os 55-70% dos indivíduos com fobia de sangue-injeção-ferimentos (Kaplan e Sadock B. H., 1997).
No México, há estudos que mostram uma maior prevalência entre quinze e 45 anos de idade, com uma proporção maior de mulheres do que homens, 2-1, respectivamente.
Idade de início:
As várias fobias pode começar em diferentes idades. dados recolhidos em inquéritos sueco Lars-Göran de Ost (citado por H. Kaplan e Sadock B. 1997), sugerem que a fobia específica geralmente têm um começo adiantado. Segundo esses estudos, a idade média de início da fobia de animais, sangue e procedimentos dentários é de sete, nove e 12 anos respectivamente.
Por seu lado, a idade de início de claustrofobia permanece um tanto indefinida, ea faixa etária varia de 5-35 anos, com uma média de 20 anos. No caso de início de agorafobia idades variando de vendas a 30 anos e fobia social em dez a quinze anos de idade. Ele também observa que a fobia social geralmente ocorre tipicamente na meia-idade, às vezes as crianças com um histórico de timidez ou inibição social. O aparecimento desta doença pode surgir de uma experiência estressante ou humilhante súbita, ou executá-lo em uma lenta e insidiosa. Alguns estudos levaram ao questionamento da homogeneidade-heterogeneidade de fobia específica, levando em conta fatores como idade de início, a razão de sexo, etiologia e influência familiar. Segue-se o agrupamento atual de fobia animal, “as alturas” e “situações específicas associadas com agorafobia (medo de dirigir, voar, através de túneis, pontes, alturas). Eles descobriram que a idade de início da fobia situação foi semelhante à de agorafobia, em contraste com o início da infância de fobia animal. A exceção foi a fobia de altura tendem a aparecer no final da infância ou início da adolescência.
De acordo com o DSM-IV (2000), a média de idade de início varia em cada tipo de fobia específica. Para fobia situacional, idade de início tende a seguir uma distribuição bimodal, com pico de incidência na primeira infância tardia e um segundo pico no meio da terceira década de vida. Para fobia ambiental (fobia das alturas), o início é muitas vezes no final da infância, apesar de muitos novos casos de fobia de altura aparecem no início da idade adulta. A segunda criança também tende a ser a idade de início na fobia fobia de animais e sangue-injeção-ferimento.
Curso eo resultado:
Tanto a fobia específica e fobia social pode se tornar incapacitante. Fobia social não complicada, podem também aumentar a dependência económica e à utilização de tratamentos médicos, também associada a ideação suicida aumentada. O curso da fobia social tende a ser crônica ou contínua. Muitas vezes persiste durante toda a vida, embora às vezes se referem a totalidade ou parte durante a vida adulta, pode conduzir a uma deterioração acentuada na escola, sendo a principal causa de abandono do ensino secundário, e produção acentuada deterioração nas relações interpessoais, o que por vezes pode estar associada com depressão e abuso de substâncias, especialmente do álcool. J. Ayuso (1994) observa que as manifestações da fobia social são muitas vezes entre os antecedentes de pacientes alcoolistas. A este respeito constatou que 20% dos fóbicos sociais consomem álcool em excesso.
Por seu turno, o DSM-IV, que as fobias que persistem durante a vida adulta geralmente diminuem raramente (só ocorre em 20% dos casos). Fobia Específica, dependendo do subtipo, pode levar a uma vida limitada ou interferir com certas atividades. Por exemplo, evitar as viagens aéreas podem comprometer uma promoção no trabalho e medo de multidões ou espaços fechados pode limitar as atividades sociais individuo.Este manual diz que o curso da Agorafobia e sua relação com o curso de ataques de pânico variar. Às vezes, uma redução ou remissão do ataque de pânico é seguido de perto por uma diminuição correspondente da evasão agorafóbico e ansiedade. Agorafobia às vezes se torna uma doença crónica, independentemente da presença ou ausência de ataques de pânico. Algumas pessoas dizem que reduzir a freqüência de ataques de pânico, evitando a exposição a determinadas situações. Seguimento de estudos realizados em pacientes tratados em centros de cuidados terciários sugerem que, após seis a dez anos de tratamento, cerca de 30% dos indivíduos são também, entre 40 e 50% melhoraram, mas ainda com alguns sintomas e os restantes 20-30% é igual ou até pior. Pouco se sabe sobre o curso de agorafobia sem história de transtorno do pânico. Há alguma evidência anedótica sugere que alguns casos persistem por anos e, eventualmente, levar a um declínio considerável (DSM-IV, 2000).
A CID-10 nos diz que, na ausência de tratamento, fobia específica tende a se tornar crônica. Nesse sentido, indica “o grau de incapacidade que produzem depende de como é fácil para o paciente para evitar a situação fóbica” e que “o medo da situação fóbica tende a ser estável, ao contrário do que acontece em Agorafobia. Segundo essa classificação, a agorafobia é mais incapacitantes de transtornos fóbicos e alguns indivíduos passam a ser completamente confinados em suas casas. ” Nessa classificação ataques de pânico que ocorrem dentro de uma caixa de expressão são considerados fóbica da gravidade da fobia, por isso é uma fobia que tem caráter prioritário, no momento do diagnóstico, o diagnóstico só pânico Crise falta de fobias (CID-10, 1994).

indicadores psicológicos
Etiologia:
Embora a etiologia do termo é um conceito médico, foi utilizado como marcador fisiológico, enquanto que, para transtornos leves, tais como fobias, os fatores psicológicos são a chave para explicar a sua origem e desenvolvimento. Em relação ao desenvolvimento de modelos explicativos etiológicos para os transtornos neuróticos, e especificamente dos transtornos de ansiedade fóbica, estes podem ser agrupados de acordo com diferentes escolas de pensamento psicológico do século XX, ou seja, a psicanálise, o behaviorismo e psicologia cognitiva. Além disso, a Psicologia Histórico-Cultural tem trabalhado fator personológicos como base para a etiologia desses transtornos. Antes de desenvolver esses modelos, explicações sobre os transtornos de ansiedade fóbica foram baseadas na idéia de degeneração hereditária do sistema nervoso central.
Freud considerava os fenômenos neuróticos como o resultado não da diminuição de energia nervosa, mas como isso aumenta resultante da força de repressão, que bloqueou o escoamento normal de quitação e forçou o desenvolvimento de substitutos física e psíquica canais produção de sintomas neuróticos. Nas suas primeiras formulações, no entanto, Freud não tinha certeza sobre os detalhes através do qual manifesta o mecanismo de formação de sintoma, o que ficou evidente em sua explicação sobre a produção de fobias.
No desenvolvimento inicial de sua teoria, Freud fez uma separação entre a clínica da histeria, fobias e obsessões. Na histeria, a emoção associada a uma idéia inaceitável para o auto foi convertido em um sintoma somático, e, assim, tanto a idéia e as emoções associadas com ela foram relegados a consciência. No caso da formação de fobias e obsessões, Freud postula um mecanismo diferente. Em suas primeiras formulações teóricas este autor observou que nestas doenças emoção perturbadora não foi convertido em um sintoma somático, mas ainda está passando por um nível consciente. No entanto, manteve-se ligado a uma idéia inaceitável, mas foi transferida para outra idéia, objeto ou situação, aparentemente inofensivo e consciente. O último foi especialmente relacionados com a idéia original, que desapareceu da consciência. O que permaneceu na consciência do paciente era uma idéia, objeto ou situação aparentemente insignificante e inofensivo, que através do mecanismo de deslocamento, foram associadas com a emoção dolorosa.
Após esta primeira formulação, Freud fez uma revisão de sua teoria. Nesse sentido sugeriu que o transtorno de pânico deve ser considerado uma entidade clínica distinta da histeria, fobias e também que deve ser considerado como uma manifestação da síndrome. Ansiedade, disse Freud, pode aparecer clinicamente em um estado de flutuação sem ideação de acompanhamento, ou ele pode aparecer como uma fobia, em que canais de drenagem foi encontrada em conexão com as idéias, objetos ou situações intimamente associado com ele (S . Freud, 1971).
Na sua compreensão teórica da formação de fobias, Freud postula que as emoções reprimidas foram de alguma forma projetada para o mundo exterior devido à ansiedade de produção para ser impedido de baixar. Isso incluirá um segundo elemento na etiologia psicológica design desse transtorno. Ao projetar o indivíduo poderia encontrar alívio para essa ansiedade simplesmente evitando o objeto que a produziu. Além da ansiedade ligada ao objeto foi objecto de um processo psicológico posterior, que chamou de deslocamento. Assim, a ansiedade foi cedida ou transferida para outro objeto, que era ligado ao primeiro por meio de ligações associativas que permitiram que este segundo objeto representam simbolicamente o primeiro.
Em 1926, Freud estabelece a sua formulação final neurose fóbica, adotando um novo ponto de vista do papel da ansiedade na economia psíquica. Dada a idéia anteriormente postulou que a ansiedade poderia ser a reação do ego do perigo, é proposto, então, que essa qualidade de ser um atributo pai foi a sua resposta ea resposta foi devida a um perigo que se coloca não só é perigoso situações externas mas também emoções internas e os impulsos que são inaceitáveis ​​e ameaçador para o ego. Nessa nova visão, a ansiedade não era visto como o resultado da repressão, mas como a causa desta, através do estímulo foi de mim, para esta ação tomar defensiva (H. Kaplan e Sadock B. , 1987).

Nesse sentido, a neurose fóbica era visto como um resultado de conflitos centrada na criança uma situação de Édipo não resolvido. No adulto, uma vez que o impulso sexual continuou a ter características de incestuoso, a ativação tende a provocar ansiedade. Ansiedade, em seguida, alterar o auto para a repressão e manter a dinâmica da consciência, e para evitar o download. A repressão não parte nesta função era necessário que eu procuro defesas auxiliar. Em pacientes fóbicos, que envolve principalmente o uso de deslocamento, ou seja, o conflito sexual foi transferido da pessoa que evoca a disputa a um objeto ou situação neutra, que então adquiriu o poder para libertar toda a constelação de emoções, incluindo ansiedade como um sinal. O objeto selecionado ou situação fóbica tem uma conexão direta associação com o objeto principal do conflito passou a simbolizar. Além disso, a situação ou objeto em geral possuem características que tornam o paciente é capaz de ficar longe dela, e através deste mecanismo adicional de defesa é evitar, escapar da agitação e ansiedade severa, que a presença de espécies nativas objeto.
Em relação aos diferentes tipos de fobias, Freud acreditava que a fobia específica e fobia social (medo de animais e de medo das pessoas) pode ser considerada verdadeiramente fobias, enquanto a agorafobia considerado como um pseudo-fobia. Esta distinção deriva de sua crença de que a crise de ansiedade que acompanha a neurose de angústia foram responsáveis ​​por agorafobia, portanto, considerado este, assim como a neurose de angústia foi causado por somáticas. Não é para fobias reais, o que, de acordo com Freud, representam substituições.
Outros representantes desse modelo continuaram as investigações de Freud. Em 1929, Deutsh (citado por W. Trinca, 1992) estudou a agorafobia como um intermediário entre a histeria ea neurose obsessiva, em que os impulsos agressivos em relação ao objeto de afeto vai se voltar contra mim, para que ameaçam a própria vida do indivíduo. Em 1935, Lewin (citado por W. Trinca, 1992) associados com a claustrofobia ao sofrimento do feto no útero da mãe. Desta forma, o mecanismo de defesa utilizado por pessoas com este transtorno é a regressão à posição fetal. Para fobias Melanie Klein (citado por W. Trinca, 1992) são suportadas por ansiedades persecutórias, com a necessidade de terceirizar objetos persecutórios intrínseca a esse distúrbio.
Em outra abordagem teórica, teóricos e cognitivo-comportamental, visando as várias hipóteses propostas como alternativa às teorias psicanalítica e biológica para explicar os transtornos de ansiedade fóbica. Eles consideraram que esses modelos não poderiam explicar o distúrbio em sua totalidade.
No behaviorismo clássico para explicar a criação inicial de uma fobia, usamos o modelo de estímulo-resposta “tradicional pavloviana de reflexos condicionados. Nesse sentido, a ansiedade tem sido causada por um estímulo natural e inerentemente ameaçadora é apresentado em associação com um estímulo neutro absolutamente inofensivo. Como resultado dessa sobreposição, o estímulo neutro adquire a capacidade de causar ansiedade para si mesmo, ou seja, torna-se um estímulo condicionado para a produção de ansiedade (I. Pavlov, 1966).

Na teoria estímulo-resposta clássica, é visto como o estímulo condicionado gradualmente perde sua capacidade de obter a resposta se é reforçado por uma repetição periódica do reforçador. No sintoma fóbico, esta atenuação da resposta ao estímulo fóbico (condicionado) não ocorrer, e os sintomas podem durar anos sem qualquer reforço externo aparente. A teoria formulada de acordo com o condicionamento operante, no entanto, visa encontrar um modelo para explicar esse fenômeno. Nesta teoria, a ansiedade é considerada como um impulso que motiva o corpo que tem que fazer nada para evitá-lo. No decorrer deste comportamento, o animal aprende que determinadas ações permitem evitar o estímulo que provoca ansiedade e, portanto, experimentar a dor. padrões de vacância, assim construído são estáveis ​​por longos períodos, como resultado do fato da armadura que recebem de seu próprio sucesso na redução do impulso para frente. Este modelo é facilmente aplicável a fobias, em que a fuga de objetos e situações que causam ansiedade desempenha um papel central. Este comportamento de fuga torna-se estável devido a sua eficácia em proteger o paciente da ansiedade fóbica.
As experiências de Little Albert, publicado por John B. Watson, são comparados com os de Little Hans de Freud. Diferente Hans, que tinha apresentado os sintomas no curso natural de maturação, o problema de Albert foi o resultado direto de experimentação científica, na qual foram utilizadas técnicas que o levaram a respostas condicionadas em animais de laboratório (I. Sarason e Sarason B., 1990).
Assim, tornou-se evidente que se alguém quisesse seres humanos sujeitos aos procedimentos normalmente restrita a animais de laboratório pode produzir um reflexo condicionado neles as mesmas características de uma clínica fobia. Concluiu-se que o modelo derivado da psicologia do condicionamento procurou uma explicação dos sintomas fóbicos, que evitou cair em mecanismos psicológicos desnecessários para fornecer para este efeito não foi o caso na psicanálise e outros modelos explicativos.

Em outra abordagem, os modelos cognitivo-comportamentais têm utilizado uma série de constructos teóricos e princípios para explicar a origem destes distúrbios. A este respeito, uma observação importante foi mais do que uma situação específica externa, o paciente teme agorafóbico eventos internos, neste caso para o início de ataques de pânico. Isso levou à criação do “princípio do medo do medo”, em que certos acontecimentos de origem somática (tonturas, desconforto intestinal, etc.) Através de um processo de associação aprendeu, tornou-se sinais de um ataque de pânico iminente. Então, esses sinais internos foram estabelecidos como estímulos condicionados que previu uma resposta de medo, neste caso, um pânico condicional.isso pode causar algum desconforto.
Beck, Emery e outros que trabalham nesta abordagem teórica estabeleceram que a construção cognitiva de Agorafobia é baseada em vulnerabilidade pessoal imposta por esquemas cognitivos que contêm significados pessoais relacionadas com a percepção de risco interna e externa (geralmente relacionados ao medo de perder o controle pessoal ou o aparecimento de uma doença aguda, súbita risco de vida) significado, e outros dados pessoais relacionados com o anterior, sobre a necessidade de segurança e apoio de outras pessoas se temia é verdade. Quando o sujeito está sozinho, longe das pessoas que forneçam segurança, ou em locais de difícil acesso às fontes de segurança (elevadores, túneis, autocarros, etc.) Esquemas cognitivos são ativados, produzindo um processamento de informação distorcida (que é chamado de “interpretações catastróficas”), a antecipação dos riscos à saúde e ao desenvolvimento de comportamentos de evitação para estas situações relacionadas com o perigo percebido e falta de acesso a fontes de segurança. A interpretação catastrófica se relaciona com a suposição de que certas sensações físicas podem ser sinais de uma catástrofe, neste sentido, as palpitações do coração pode ser interpretado como um sinal de ataque de pânico iminente. A percepção de insegurança em qualquer situação tende a precipitar o pânico. Estes atribuição errônea de sensações somáticas inofensivos, esses autores explicam-los por um elevado “sensibilidade à ansiedade.” Os defensores desse postulado citar a prova da existência de estruturas patológicas memórias do medo orientada, o que predispõe para recuperar informações relacionadas à ansiedade (ex.: memórias de experiências traumáticas na infância.)
Essa condição afeta o paciente como uma perda de confiança em si mesmo, por sua dependência dos outros, e vários auto-crítica para o seu aparente fracasso, o que leva a uma auto-avaliação negativa. Também aparece conflitos cognitivos decorrentes, principalmente, o medo da solidão e desequilíbrio independência-dependência nos relacionamentos.
Por seu lado, Guidano e Liotti fornecer um modelo descritivo desse transtorno difere na ordem inversa e da hierarquia das cognições envolvidos. Para esses autores, existem dois níveis cognitivo, mais explícitos cognitivo (consciente) sobre atribuições de causalidade realizada pelo sujeito ao que acontece e as expectativas quanto ao seu status.Os significados básicas identificadas por Beck e Emery são colocados a este nível. Por outro lado, têm um nível mais profundo (mais inconsciente ou abstrata) que contém duas regras básicas de ação para o assunto. Estas regras teriam como resultado a obrigação do sujeito para evitar a solidão, eo dever de manter o controle das situações. O assunto teria problemas para identificar e verbalizar essas regras (conscientes) e erroneamente atribuída a sua ansiedade de sofrer da doença de início imprevisível. O desenvolvimento do apego ansioso a ° ° para o pais eo rompimento do vínculo (separação, perda) estaria na origem da organização cognitiva agorafóbico.

No caso da fobia específica, Beck e Emery postulou que a ansiedade fóbica é associado com um viés no processamento das informações sobre a ameaça representada pelo objeto ou situação perigosa. Não é o objeto, evento ou situação que o assunto está em causa, mas a antecipação das possíveis conseqüências da situação.
Nesse sentido, esses autores sugerem que é de extrema importância levar em conta as cognições específicos associados à antecipação de conseqüências. Esse esquema cognitivo estaria relacionada a uma série de distorções, entre as quais:
- Inferência arbitrária visão catastrófica: em que o sujeito antecipa a ocorrência de eventos de ameaça em uma determinada situação sem ter provas disso.
- Generalização: o sujeito de uma situação onde uma ameaça antecipada, relacionados ou situações similares, onde as ameaças semelhante pode ocorrer, tudo sem provas suficientes.
- Maximização, Minimização: o sujeito exagera os perigos da situação e subestima os recursos de segurança da situação ou a sua capacidade de lidar.
- Personalização: o sujeito compara o seu desempenho antes de ter o medo e evitação de corrente ou dependência de outras pessoas a superar, auto-crítica para isso.
Em relação à fobia social, esta abordagem teórica sugere que ele pode ter uma origem traumática ocorreu após uma experiência negativa que produz uma resposta de alarme para o desempenho social do paciente, o que geraria ansiedade e baixo desempenho, com evolução gradual em direção ao desenvolvimento deste problema.
Alguns indivíduos podem ter poucas habilidades sociais, que estão levando a decepções e fracassos na esfera social. Nesse sentido, os fatores cognitivos podem afetar a confiança para influenciar a forma como o assunto prediz a probabilidade de sucesso no desempenho de tarefas ou social, considerar as reações dos outros e interpretar o seu desempenho. Os indivíduos que interpretam as suas competências e ações dos outros de uma forma negativa tendem a sofrer de ansiedade, desempenho pobre e evitação social.
Nesse sentido, o modelo de Beck e Emery nos diz que o assunto teria desenvolvido esquemas cognitivos relacionados aos significados e valores ameaça de ser substituído, criticado ou rejeitado por seu desempenho em uma situação social. Estes esquemas seriam ativados em situações sociais e produzem distorções cognitivas, tais como os listados para fobia específica (visão catastrófica, maximizando e personalização). Observe também que o medo do núcleo de pacientes com ansiedade social deve ser o foco da atenção dos outros e ser julgado desfavoravelmente pelos mesmos.
Em relação ao aprendizado que se destacar o papel dos fatores psicossociais têm desenvolvido várias investigações relacionadas com a fobia social. Desta forma, destacamos três formas de adquirir este: condicionamento direto, a aquisição indireta, e de informação e instrução. Notou-se que as inibições individual pode resultar de aprender algumas delas. Mas se você pode explicar aquelas que são iniciadas por eventos traumáticos, não é um modelo explicativo que pudesse entender a aquisição de todas as fobias sociais.
Aprendizagem social ou aprendizagem vicária é uma forma de aprendizagem, sem necessariamente passar diretamente através da experiência, como evitar estímulo fóbico porque ouviu de outra pessoa que sofreu esses sintomas e evitar, ou porque foram refletidos em outras pessoas. Este tipo de aprendizagem não precisa ser necessariamente cara, mas também pode ser acessado de forma indireta, ler uma resenha, ouvir histórias ou ver alguém.

Aprendizado teóricos apontam para uma propensão pelas associações fóbicos mais rápido adquirir as respostas negativas e esquiva, também, que os introvertidos foram significativamente mais rápidos que os extrovertidos e condicionadas. Nesse sentido, as pessoas cujos sistemas nervosos são particularmente sensíveis à estimulação, parecem mais propensos a sofrer de ansiedade severa. Nesta pesquisa, Noyes e um grupo de pesquisadores mostrou que cerca de 15% dos pais e irmãos de pessoas com transtornos de ansiedade sofrem da mesma doença (H. Kaplan e Sadock B., 1997).
Em relação à paternidade, desenvolvimento, falta de experiências sociais podem ser outra fonte de vulnerabilidade. A este respeito refira-se que o isolamento social na infância podem atrapalhar muito o desenvolvimento normal da expressão emocional. A influência das famílias desajustadas com a ansiedade, podem ser potenciadores da doença. Em suma, a influência das características da personalidade e do comportamento dos pais pode afetar outros comportamentos sociais das crianças. No tocante à investigação pai-filho, foram realizados estudos para avaliar os estilos parentais de pais de fóbicos sociais, ou seja, se fossem emocionais, superprotetores ou tendem a rejeitar os seus filhos. Também tem tendência para caracterizar o funcionamento familiar (tendência para resolver os problemas, a comunicação com as crianças, os papéis, se eles se envolverem emocionalmente com seus filhos e se eles controlam o comportamento ou não.) Neste sentido, recolheu informações através do qual podemos concluir que a superproteção ea crítica / rejeição são dois dos estilos parentais associadas ao desenvolvimento de fobia social. Ele também destaca a má comunicação entre pais e filhos e os pais destes pacientes são mais punitivas, e pode mesmo ser o castigo físico constante. Os pais que se importam com as opiniões dos outros tendem a ser mais crítica de má conduta de seus filhos. Esta tendência para rejeitar ou criticar a criança pode aumentar a preocupação eo temor para a avaliação do público.
figura tem uma função protetora biológica. relações de apego ato regulamentar do Estado emocional.Desde uma abordagem que tende ao ecletismo, e da generalidade das fobias Lars-Göran Ost (citado por H. Kaplan e Sadock B., 1997) constatou através de um questionário estruturado aplicado a seis grupos de pessoas com fobias (animal, claustrofobia, agorafobia sangue, dentista, e social), os vários tipos de fobias estão associadas com diferentes formas de propriedade. Em geral, todos os tipos de fobias estudados têm uma preponderância (66% da amostra) estar relacionada em sua origem com o fator de “condicionamento”, que nesta pesquisa refere-se real ou falso experiências traumáticas início da experiência (ataques pânico). 15% da amostra está relacionada a fatores de “modelagem”, isto é, estar na presença ou escutar alguém que teve problemas com o objeto temido. 6% foi relacionada com a modalidade de “informação de instrução, em que os sujeitos relataram ter ouvido repetidas advertências sobre os riscos do objeto temido e, finalmente, 15% da amostra não lembro a fonte de seus medos.

Cultural da Escola Histórica salientou o papel mediador da personalidade na produção de transtornos neuróticos. Isso não deve ser confundido com a existência de uma personalidade pré-mórbida, definida como um conjunto de traços de caráter, características dos diferentes transtornos de ansiedade. Dentro desta abordagem, personalidade é visto como algo externo, antes do início dos sintomas ou acompanha, mas sem conexão direta com eles. Seguindo este critério, o caso específico de transtorno de ansiedade fóbica, a descrição do personalidade pré-mórbida é raramente na agenda. CID-10 (1994) é, essencialmente, com base em critérios comportamentais, aspectos sintomáticos personológicos não abrangidas na caracterização da doença.quase equiparada com fobia social generalizada, portanto, os indivíduos com fobia social generalizada deve sempre ser considerada um diagnóstico adicional de transtorno de personalidade esquiva. (DSM-IV, 2000).
De outra perspectiva, nos transtornos de ansiedade aumentou a existência de uma personalidade pré-mórbida neurótico (K. Horney, 1956; H Ey, 1967). Mas este personagem é descrito como características (a insegurança, dependência, necessidade de afeto, etc individualismo) Entendido como um fator externo, alheios a uma explicação causal do mesmo. Neste sentido, devemos entender que o conceito de “personalidade” não podemos associar com uma característica particular acrescenta a assumir espontaneamente a mudança doença. Por esta razão, a “personalidade pré-mórbida” prazo torna-se contraproducente, pois a essência não muda abruptamente de personalidade premorbidly à suposição de que a própria doença, com a chegada dos sintomas, o que acontece é que “as mudanças são acentuadas mecanismos de auto-regulação do seu funcionamento “(A. Alonso, 1989). Portanto, a alterações da personalidade, é um fator chave etiológico na neurose. (R. Rodriguez A. e Alonso, 1985).
personalidade que indivíduos normais.
Nesse sentido, a Escola Histórico-Cultural defende a posição do desenvolvimento anormal da personalidade entendida como uma causa de transtornos de ansiedade (neurótico).
trabalho do psicólogo Europeia como W. König (1984), S. Schnabl (1981) destacaram os mecanismos internos que influenciam este proceso.También em Cuba tem seguido essa linha de pesquisa. A. Obras Alonso (1989), R. Rodriguez e A. Alonso (1985), F. González (1985) e outros apontaram que os sintomas dessas doenças são expressões da deterioração dos mecanismos de regulação da personalidade do sujeito. Nesse sentido, é comum nesses pacientes parece insuficiente de auto-avaliação por subcotação.

Zeigarnik acredita que as mudanças de personalidade ocorre quando a influência da doença, o paciente interesses estreitos, precisa diminuir, quando se torna indiferente ao que o incomodava antes, quando suas ações perdem seu efeito quando suas ações são tornar-se ilógica quando o homem deixa de regular sua conduta e não em posição de avaliar adequadamente o seu potencial (B. Zeiganirk, 1981). Em ¬ des doenças psicogênicas, como neurose, transtornos de personalidade são específicos para a doença em si surgem e se desenvolvem a partir de uma idade precoce.
Especificamente em relação aos transtornos de ansiedade fóbica, alguns trabalhos têm destacado elementos do ambiente familiar inadequado, como a presença de pai muito restritivas e geradores do medo, da coerção e intimidação educação, especialmente no caso da mãe, e uma atmosfera geral ações Família ansiogênica. A rejeição por parte dos pais, as experiências de infelicidade e insegurança, carinho e segurança as necessidades não satisfeitas as experiências traumáticas na infância associada a mal gerido, acabará por tornar-se patológico. Na vida adulta negativamente valorizado indeciso, tímido, quieto, além de cônjuges dependentes manifesto por causa dessas características de personalidade. (A. Alonso, 1989).
Com relação aos transtornos de personalidade encontradas neste tipo específico de distúrbio, a pesquisa encontrou as estruturas afetadas motivacional, destacando as necessidades patológicas de afeto, apoio, segurança e independência, a personalidade individualista com reduzida motivos de ordem social, auto-avaliação inadequada mais ou desvalorização, dificuldades no relacionamento interpessoal, mudança de perspectiva do tempo, focando em problemas ocorreu em crianças com corrente implicações emocionais, que dão origem a uma percepção contrária da realidade e uma má previsão para o futuro. (F. e A. Amador Alonso, 1987).

Considerações finais:
Por meio da análise crítica dos vários modelos explicativos propostos para o transtorno de ansiedade fóbica, em geral, podemos dizer que a grande dificuldade hoje em dia consiste em integrar as várias contribuições de diferentes correntes psicológicas que, a partir de diferentes momentos históricos enfatizado em pouco psicológico e personalidade diferentes insultado ou tratado, até agora, para sustentar e suas construções teóricas. Assim, ao longo do tempo o objeto de estudo foi alterado e foi dividida, fazendo um lado, um rico conhecimento teórico e prático de um fenômeno ou um aspecto particular da psique humana, mas qualquer outra forma de posições teóricas e práticas inconciliáveis. Este fenômeno histórico pode ser explicada pela grande complexidade envolvida na abordagem do assunto desta ciência, que está no alto nível de integração do estudo de seres humanos. Não obstante, a actual tendência psicológica nos leva ao caminho da integração do conhecimento, que se aproveitam de todas as contribuições feitas por meio do desenvolvimento de uma ciência jovem como é o caso de um quadro que psicología.Creemos para essa integração, tendo em conta a flexibilidade de sua base filosófica, a concepção do homem e todo o trabalho feito neste sentido, seria oferecido pela Escola Histórico-Cultural.
No compartilhamento de outro lado os resultados de estudos realizados na Suécia, por Lars-Göran Ost, em que mostram as diferentes formas de aquisição de fobias. Esses estudos incluem várias formas de aquisição de fobias, que geralmente resgatar aspectos das várias posições teóricas que abordam esta questão. Em nossa opinião, esses fatores representam os eventos críticos que desencadeiam os sintomas, que baseia-se transtornos de personalidade. Nesse sentido, ele mostra as experiências traumáticas de estrangeiros e nacionais, associada com o condicionamento clássico, a falta de consciência da origem do medo, que nos relacionamos com a posição do inconsciente da psicanálise e do fraco desenvolvimento das estruturas de personalidade de auto-regulação proposto por Histórico-Cultural da escola, a modelagem, no âmbito da aprendizagem vicária, e do modo de informação, instrução, que nós associamos com fatores cognitivos presentes na estrutura do medo.

Fonte:Psicosite

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares